quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

Meias, um projecto portátil

Na passada 6ªf, fui aprender a tricotar meias com a Filipa, mais conhecida, por aqui, pela Nionoi. Foi uma tarde muito bem passada, que me permitiu tirar mais algumas dúvidas, além de ter aprendido a tricotar meias.
 Como aguardo, a chegada do meu kit de agulhas para meias, resolvi tricotar com as únicas agulhas que tenho, que são número 4. Este número calhou mesmo bem, pois tive de fazer ginástica mental para adaptar o tamanho, logo no primeiro par de meias que tricotei. Por outro lado permitiu-me aproveitar sobras de um colete que uma amiga tricotou para a minha filha. O modelo do colete foi pensado para aquecer enquanto é necessário trabalhar e ter mobilidade de braços. As meias completam o conjunto dando conforto a quem gosta de trabalhar descalça, como é o caso da minha filha.
Ainda bem que segui o conselho da Filipa e tricotei logo as meias como T.P.C, consolidando as novas aprendizagens e tirando dúvidas na hora (graças à internet e à simpatia/disponibilidade da Filipa!). Não fiz a "meia do Corvo" (uma meia para guardar com a "cábula" do projecto, que a tricotadeira colocava num ramo para o corvo levar) como a Filipa sugeriu, mas fiz duas meias para a "Esquilinho", alcunha da minha filha. Acho que vai virar vicio, tricotar meias! Estou desejando experimentar pontos, brincar com as cores e tudo com um resultado quase imediato, dado o tamanho do projecto, com a vantagem de ser um vício bastante económico.
Esta foi a minha segunda aula de tricot com a Filipa e aconselho vivamente a quem gosta de um ensino personalizado e motivador!
fotografia copiada do facebook da ComTradição

terça-feira, 23 de Setembro de 2014

Keep Calm Craft On

"The act of creating, in one form or another, preserves my sanity amongst the chaos of life. This explains why I always have more than one project going at a time as well as why my housework tends to fall behind." Revi-me neste texto e repito "O acto de (re)criar, de uma forma ou de outra, preserva a minha sanidade mental, o que explica a razão pela qual tenho sempre mais de um projecto em mãos, ficando o trabalho doméstico constantemente meio-feito." Resultado? Quem me visita não entra numa casa, mas num lar, que se sente, que é vivido! Uma casa de 5 adultos e dois cães ocupa muito tempo e dá trabalho, por isso há que não cair nos exageros das limpezas constantes.
Para manter o equilíbrio na rotina do dia-a-dia, entrego-me aos trabalhos de mãos, na companhia dos meus "assistentes".
"Ela" à minha esquerda,
"ele" à minha direita
o meu lanche e
o meu bordado!

O lanche é o meu momento do dia e que ninguém me incomode!
Aqui,no Keep CalmCraft On, encontram partilhas que vos podem inspirar na escolha de algo criativo e manual, para vos ajudar a quebrar a rotina caótica de alguns dias da semana.

sábado, 20 de Setembro de 2014

Tardes chuvosas

As primeiras tardes chuvosas, depois dos dias longos de sol, são um convite a ficar em casa. Adoro recolher ao ninho sem sentimentos de culpa, de estar a privar a família da natureza!
Tenho sido bastante disciplinada e ando a tentar terminar os meus OVNIs (Objectos Vários Naturalmente Inacabados!) que se encontram a ocupar a minha mesa. E tenho conseguido! Mas já chega, não resisto mais e vou começar um dos kits que trouxe da Escócia, o mais simples!
 Este Outono quero fazer tanta coisa! Quero tricotar meias, algumas com padrões, de forma a aproveitar sobras de meadas fazendo conjunto com os vários xailes e ponchos já por mim tricotados.
As meias andarão comigo para todo o lado, serão o meu "projecto portátil"!
Vou frequentar aulas de costura numa tentativa de fazer as minhas túnicas.
As peças que conseguir costurar, vou querer personalizar bordando-as.
 A minha cabeça é um fervilhar de ideias. As minhas mãos estão cheias de vontade, vamos ver se,  entretanto, no meio de tanta coisa, que quero fazer, não "frito a pipoca"! 
Mas o meu projecto mais ambicioso é bordar o kit The Great Tapestry,  onde tenho todos os pontos utilizados nos painéis.
A acrescentar a tudo isto, nos intervalos vou lendo. Lendo os livros das tapeçarias e os livros que se encontram na minha cabeceira (e mais virão).
O início do ano lectivo, acompanhado por tardes chuvosas e serões mais frios, são uma nova etapa para mim. E cada nova etapa, uma lista de projectos que sonho fazer!

segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

O que me faz bem!

Antes de regressar ao ritmo de mais um ano lectivo, fui carregar baterias "Entre a Serra e o Mar"!
 Aproveitei um pinheiro e a "Loira" como modelos para fotografar a "echarpe" que tricotei este Verão, em ponto de rosas abertas.


E gozámos mais uma tarde "Entre a Serra e o Mar"!



Eu tricotando...
 ...o Z.  moldando o que por ali apanhou!

sábado, 13 de Setembro de 2014

Edimburgo

Últimos dias na Escócia :
Sobre Edimburgo o melhor é lerem aqui, no blogue Inesperado. Foi o que fizemos quando estávamos ainda na fase de planificação da viagem.
 No entanto deixo alguns conselhos. Agosto tem um encanto especial, os dias são maiores e o Verão em Edimburgo é uma Festa. Há que planificar a estadia atempadamente e com noites marcadas, pois podem atingir preços muito superiores a outras épocas, ou nem conseguirem um local para dormir, apesar dos hoteis provisórios criados especialmente para a época. 
A nossa estadia coincidiu com os últimos dias do Fringe! Somos uns sortudos!
Neste painel da Great Tapestry, está representado o primeiro Fringe.



 Todas as ruas e jardins da cidade estão em festa e cruzamos-nos a toda a hora com pessoas bem peculiares!




A Festa é tão intensa que há quem procure recuperar forças procurando momentos de sossego nos jardins não ocupados pela festa!
 Como a vida "são dois dias",  nós descansámos mas sem sair da festa.
 Edimburgo convida os turistas a viverem a cidade e desafia-os a "participarem" na economia da cidade, o que também não foi esquecido na tapeçaria.

As lojas são, a grande maioria, antigas, tradicionais, em que o comerciante opta por investir nos artigos, mantendo o imóvel com a traça original. Detive a minha atenção principalmente em montras com artigos de lã.



 A montra desta modista é bem reveladora do gosto pela tradição...
... bem como esta ervanária.


No interior das lojas as tricotadeiras não dão descanso aos dedos!
 E no exterior de uma delas, dificilmente resisti à compra de alguns fios!
Durante o mês de Agosto Edimburgo é palco de numerosos eventos, dos quais destaco as Feiras de Artesanato.






Nas imediações da feira encontrámos uns quantos desenhadores e pintores, tendo o Zé tido a oportunidade de observar algumas técnicas por eles utilizadas.

Um dos museus que visitámos foi o da Cidade, um dos poucos gratuito!
 Logo à entrada há um espaço dedicado ao ponto de cruz, com o qual me deliciei!

Outro Museu gratuito e bastante interessante, para quem ler é uma paixão viciante, que é o meu caso, é o Museu dos Escritores!


 Na rua podemos ler frases de escritores famosos.
 Mas não só de cultura e de festa se vive, é também importante repor energias comendo. A nossa opção foi sempre experimentar pratos tipícos, nos locais com história. Foi o que fizemos num dos almoços em Edimburgo, no World's End, onde comemos fish and chips.

Desta Cidade muito fica por dizer! Por muito que escrevesse ficaria sempre a faltar alguma coisa.

Local do Tato militar
 
O que mais me marcou foi a educação e simpatia do povo Escocês. O que me levou a visitar Edimburgo foram as tapeçarias e delas falarei um outro dia.