quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Malha e livros

Este Verão, um dos meus sonhos era ir à Irlanda. Não podendo ir "viajo" pelos livros, tendo assim escolhido ler "A última noite em Tremore Beach" de Mikel Santiago, que assim se estreia no mundo da literatura. Numa só palavra, como descreveria este livro?!
 ......juro que estou a tentar! 
Prende, é isso mesmo. Depois de o começar a ler não o consegui largar mais!
 Quanto à malha, não tendo conseguido momentos de concentração para prosseguir com o Split Top Kal, dediquei-me a um tipo de projecto que também me Prende, meias!
Tricotando meias, com esperança de um dia ter uma sombra maior!
Uma partilha para o Yarn Along, após uma longa ausência. Já li várias vezes o livro que a Ginny está a ler!
nota: as fotografias não são de hoje, mas ainda estou a tricotar as mesmas meias e estou a algumas páginas do fim do livro. Aproveito para desabafar que "torci o nariz" à nacionalidade do Pedro.

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Mil tardes "monótonas"

Tardes felizes de Verão. Juntos com este, aquele e mais aqueloutro.  Conversando,  rindo, petiscando ou simplesmente escutando os ecos que o silêncio do campo nos devolvia.


Fiel companheira da malha
Na fila para beber água, apesar de terem um prato cheio de água!
Alerta, sonhando ser nadador salvador!
 Recordando a conversa com um sábio médico, a quem devo a minha vida, vivemos entre a ansiedade e a depressão,  pois não somos psicopatas. A ansiedade de alcançar os sonhos que vamos construindo. A depressão da frustração do sonho não alcançado. Para complicar mais, somos seres "decimais". Fiz 40, já cheguei aos 50...60...70...Temos de ter presente que já não fazemos o mesmo que fazíamos com 30, mas a Vida compensa-nos! Na vitalidade dos 75 somos capazes de grandes feitos, inalcançáveis na ignorância dos 30.
Mantenho um sorriso, apesar dos tais picos de ansiedade e depressão. Sorrindo, não só exercito mil e um músculos,  como quase sempre recebo um sorriso de volta, que espanta os "demónios" que possam arrastar-se junto de mim.


Apesar de não ter partido para O Caminho, com o qual tanto sonhei, porque o meu rafeiro com as suas crises de epilepsia e mais umas quantas peripécias familiares assim o não quiseram; Apesar de não ter conhecido a Irlanda; Apesar de...Estou feliz, grata pela vida de nómada veraneante e pelas mil tardes monótonas,  desfrutadas à beira da piscina, entre planícies e serras alentejanas, com a família e amigos.
Obrigada a quem me tem recebido e partilhado comigo os seus dias de Verão!

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Tosquia à tesoura

Combinei com o Pastor.

 Ainda só tinha visto uma tosquia bordada a lã, num dos paineis da Tapeçaria da História da Escócia.

Hoje tive o privilégio de presenciar uma tosquia ainda à tesoura, e bem antiga que era!
pegas em cortiça
 A harmonia entre pastor e ovelha, a calma com que a tosquia ía decorrendo à luz única de um final de tarde alentejano, eram bem reveladores da cumplicidade entre Pastor e ovelha.

 
A saruga dificultou o trabalho do pastor!




 Já tosquiada, a ovelha não se quis misturar com as outras ainda "vestidas"!
 A ovelha negra, dominava o espaço, alargando-o com as patas traseiras
 Antes de regressar a casa, fui ver a nova cria.
Nota:  Mais fotografias no meu Instagram.

Rota dos Castelos - 3º dia

Monforte com as suas três Igrejas tão próximas!
Ponte Romana do outro lado da estrada

A Ponte Romana sobre a Ribeira de Monforte

Seguimos para Alter Pedroso. No caminho encontrámos mais um roubo vergonhoso do nosso património, apesar do aviso, educadamenete esclarecedor, ali presente.




Hoje ando muito mais atenta a este tipo de roubo e vandalismo, penso que por influência dos constantes alertas da Rosa Pomar!
Chegando a Alter Pedroso, voltei a sorrir à vista de um símbolo, que sonho, em breve, orientará o meu Caminho




Subimos um pouco mais e abraçámos com um sorriso a planície alentejana!





Finalmente chegámos ao destino desse dia, Alter do Chão. Tínhamos, à semelhança dos outros dias, realizado as nossas pesquisa para irmos documentados. Surpreendentemente, em pleno Agosto, demos com o nariz na porta, em tudo quanto planeáramos visitar!
Igreja do Convento de Santo António
Castelo de Alter do Chão
Não é o Chafariz quinhentista que está à venda!
 A caminho da Casa de Álamo, também fechada!
 Restava-nos passear pelos jardins da Casa de Álamo
Portão de acesso ao Jardim
 Quanto à Coudelaria, ainda pensámos em revisitar, mas demos com um espaço tão diferente, com hora marcada para visitar e apenas com guia, que desistimos. Pode ser que as novas regras sejam uma solução, já que esteve em riscos de fechar. Por outro lado os cavalos estão mais protegidos dos ignorantes curiosos.
No regresso passámos pela Ponte de Fronteira, ligando a margem da praia fluvial à margem onde existe uma piscina.

no passadiço, para os veraneantes, ligando as margens do rio
Passeando atentos, apesar da conversa, encontramos sempre algo que nos capta a atenção na vastidão do nosso Alentejo.